Notícias
Por que o leite se desenvolve no Sul do país?
26/11/2013 - Por que o leite se desenvolve no Sul do país?
Agora imagine esse mesmo produtor, 8 anos mais tarde, após investir na captação da água da chuva, que é farta, mas irregular, descobrindo novas formas de garantir o suprimento hídrico; após mexer na estrutura do rebanho, mantendo quase que apenas as vacas em lactação; após racionalizar o fornecimento de volumoso, em pastejo rotacionado com forrageiras subtropicais no verão e temperadas no inverno. 

Produzindo cerca de 800 litros diários, os filhos voltaram, a casa foi reformada, tem até carro novo na garagem. Nos mesmos 13 hectares.
 
A história do produtor Antônio Balzan, no Oeste de Santa Catarina, é semelhante à de muitos outros no Sul do país (e mesmo em outras regiões). Tive a oportunidade de conhecer alguns deles em visita organizada pela Cooperideal, cooperativa de técnicos que atua em 11 estados e mais de 1.200 propriedades. A Cooperideal trabalha com a metodologia Balde Cheio e vem contribuindo para fazer uma revolução silenciosa nessas pequenas propriedades, muitas delas naquele limite tênue entre se manter precariamente na atividade e vendê-la a contragosto, forçadas pelas dificuldades econômicas da atividade conduzida sem planejamento e assistência técnica.
 
O objetivo da minha visita foi entender um pouco mais a respeito do desenvolvimento da região Sul do país, nesse caso o Oeste Catarinense e o Sudoeste Paranaense, duas das mesoregiões de maior crescimento da atividade no país. Nos últimos 10 anos, cresceram 9,8% e 9,9% ao ano, respectivamente, atrás apenas do Centro Sul Paranaense, que cresceu 14,5% ao ano, porém a partir de uma base várias vezes menor. O Brasil, no mesmo período, cresceu 4,1% ao ano.
 
O que, afinal, faz com que o leite cresça consistentemente nessas regiões? Em uma primeira análise, pensamos nas condições naturais de produção, como o clima mais ameno, permitindo exploração de rebanhos de raças especializadas para produção; a distribuição de chuvas durante todo o ano, minimizando a necessidade de irrigação; a produção de forrageiras temperadas, como azevém e aveia, de alta qualidade nutricional. 
 
Creditos: MilkPoint